giovedì 28 febbraio 2008

Onde está...o pão?


Ser emigrante implica normalmente alguns sacrifícios. Uns mais difíceis de engolir do que outros.

No meu caso, o mais difícil de engolir é mesmo o pão. O pão aqui não vale nada. Já em Itália era a mesma história. É que nem numa padaria se vê pão de jeito. Pode parecer trivial, mas é que às vezes apetece-me comer uma "sande" de queijo, mas eles aqui só vendem baguetes e outros pseudo-pães...não percebo.

No outro dia estava uma amiga toda contente porque tinha encontrado "pão à séria". Fiquei esperançado e comecei a imaginar a minha vida a mudar daqui para a frente: comer pão ao pequeno-almoço (claro que para isso convinha acordar mais cedo e não estar sempre atrasado para o trabalho), ou quando tivesse fome antes de ir deitar, ao lanche...enfim, sempre que se proporcionasse. No entanto, porém, todavia...aconteceu a desilusão. O pão era realmente acima da média, mas muito abaixo das expectativas. A côdea tinha um bom nível, só que praticamente não tinha miolo, e eu sou muito mais miolo do que côdea.

Por isso um apelo aqui de barças, mandem-me pão pelo correio. É que mesmo pão de 3 dias acho que é melhor do que o que encontro por aqui!

3 commenti:

Daniel ha detto...

Então! Isso está mesmo muito mau... Então o melhor que consegues colocar no blog é esse grande flagelo mundial "a falta de qualidade do pao em Barça"???
És um menino :)

Nuno ha detto...
Questo commento è stato eliminato dall'autore.
Nuno ha detto...

Nao te preocupes que o próximo post vai ser dedicado a outro flagelo, bem mais interessante!

E estás a falar de barriga cheia, porque até o pao da cantina é de excelente qualidade, comparado com este drama!